Reunião da A.G.R.A.D.A. de 16 de Fevereiro

Tivemos ontem, 16 de fevereiro, a oportunidade de conhecer mais sobre o trabalho da Fundação Beatriz Gama em Volta Redonda e aprender sobre Mitos e Verdades do processo de adoção com a Psicóloga Ana Cláudia Domingues e equipe da FBG que esteve presente.
Agradecemos a presença e participação de todos.
Em breve enviaremos o resumo dos pontos principais da palestra.
Um abraço a todos e até dia 16 de março com a palestra sobre Depressão e Estimulação Magnética Transcraniana.
Equipe AGRADA.

Veja aqui o resumo:

MITOS E VERDADES SOBRE ADOÇÃO DO DIA 16 DE FEVEREIRO DE 2011: Psicóloga e Terapeuta de Família e Casal Ana Cláudia de Lima Domingues


“Ser filho é a condição universal do homem; não existe homem no mundo que não seja filho.Olhar uma pessoa como filho quer dizer olhá-la na sua identidade. Pode ser filho abandonado, não desejado, necessitado, mas filho: trata-se somente de reconhecê-lo” Lia Sanicola

O trabalho desenvolvido pela Fundação Beatriz Gama é uma medida protetiva  prevista no ECA, como um recurso aplicado para garantir a proteção de crianças e adolescentes em situação de RISCO SOCIAL.

  • Atribuí-se Risco Social a uma condição que implique a cça/adol estar em uma condição de vulnerabilidade.
  • Vulnerável implica estar a criança e o adolescente necessariamente prejudicados
  • Prejudicados em seus direitos de serem tratados como um ser em desenvolvimento
  • Exclusão parcial ou total aos Direitos Fundamentais previstos no ECA: à vida e à saúde;à liberdade, ao respeito e dignidade;à convivência familiar e comunitária;à educação, ao esporte e lazer e a profissionalização

Direitos violados

  • Surge a aplicabilidade da lei
  • Entre outras tantas medidas específicas (art.101 cap II), incluí-se a Medida PROVISÓRIA E EXCEPCIONAL, de Acolhimento Institucional


A Fundação Beatriz Gama é uma Entidade de Acolhimento Institucional:

  • Substitui a nomenclatura Abrigo
  • Provisório e excepcional
  • Transitório para favorecer a garantia da convivência familiar e comunitária, seja na família de origem ou na família substituta


Os Motivos da Institucionalização

  • Abandono físico, afetivo e/ou moral
  • Violência doméstica (vitimização física,psicológica,sexual e negligência)
  • Violência estrutural (desemprego,falta de moradia,transtorno mental e dependência química dos pais ou responsável)
  • Orfandade
  • Catástrofes (enchentes, desabamentos,etc)


Diretrizes das Entidades de Acolhimento Institucional:

  • Conhecimento da história familiar da cça/adol
  • Articulação com a Rede de apoio da comunidade local
  • Encaminhamentos de Relatórios Circunstanciais às Autoridades Competentes
  • Promoção familiar
  • Reintegração familiar e comunitária



Princípios norteadores das entidades de acolhimento:

  • Preservação dos vínculos familiares
  • Atendimento personalizado em pequenos grupos
  • Não desmembramento do grupo de irmãos
  • Atividades em regime de co educação
  • Participação na vida da comunidade local
  • Preparação gradativa para o desligamento
  • Acompanhamento a egressos
  • Indicação para a família substituta, esgotados as possibilidades junto a família biológica e extensa.



Reintegrar para quê?

  • Reintegra-se uma cça/adol em seu meio familiar, por se reconhecer na convivência familiar o ambiente mais favorável ao seu desenvolvimento
  • Reintegra-se por reconhecer na família a capacidade de assumir seus deveres

Por que Adotar?

  • Adota-se primeiramente para permitir que determinadas cças/adols tenham assegurado o direito à Convivência Familiar e Comunitária
  • Adota-se para dar uma família a uma criança que não a tem e para dar aos pais adotivos a possibilidade de gerar seus filhos pelo afeto

Fonte: Cartilha 2 Colocação Familiar- Terra dos Homens

ADOÇÃO:
Mitos e verdades:

Mito: “Só ao bebê podemos imprimir marcas de nossa personalidade”

  • Verdade: Na adoção tardia os pais precisarão de tempo para transmitir aos seus filhos, os seus valores familiares e com o tempo eles irão adquirir hábitos e costumes próprios aos pais

Fonte: Cartilha 2 Colocação Familiar- Terra dos Homens

Mito: “Adotar é complicado”

  • Verdade: A adoção exige o cumprimento de determinadas exigências legais, que visam basicamente à proteção da cça, de forma que ela seja confiada a uma família que esteja efetivamente disponível a assumi-la como filho

Fonte: Cartilha 2 Colocação Familiar- Terra dos Homens

Mito: ”Adotar é um ato de caridade”

  • Verdade: Ainda que o desejo de proteger uma cça seja a motivação inicial, é a decisão consciente de adultos que assumem a responsabilidade de transformar uma cça não gerada por eles em filho

Fonte: Cartilha 2 Colocação Familiar – Terra dos Homens

Mito: “A criança que sabe que é adotada procurará por sua família biológica”

  • Verdade: Ainda que muitas çças manifestem curiosidade a respeito, poucas desejam efetivamente estabelecer um contato direto.Necessitarão de certo do apoio dos pais adotivos. Os “verdadeiros” pais , para os filhos adotivos, são aqueles que lhes deram o amor e a proteção e que os fizeram se sentir filhos

Fonte: Cartilha 2 Colocação Familiar – Terra dos Homens

 A ADOÇÃO de crianças com necessidades especiais

  • Algumas cças apresentam características que solicitam um tratamento especializado
  • Exigirá dos pais adotivos, além da prevista aceitação, uma capacidade terapêutica e apoio de profissionais

Fonte: Cartilha 2 Colocação Familiar – Terra dos Homens

Área Restrita